quinta-feira, 9 de março de 2017

Cidade Escola: O trio BBB de Alfenas


Dentro do programa Cidade Escola todos sabem ser fundamental a participação da população dos diversos bairros da cidade nas atividades propostas. Mas o que todos também devem conhecer são as pessoas e os profissionais envolvidos em uma das tarefas mais importantes do programa: os integradores culturais. Eles estão espalhados pelos quatro cantos da cidade, mas alguns deles merecem ter suas histórias de vida e envolvimento nas causas sociais contadas em detalhes.

Beiçola, Biloca e Binho (esq/dir)
Os personagens da história a seguir são amigos de infância, quase inseparáveis. E lá se vão mais de 20 anos de amizade. Cresceram no bairro Vista Grande, quando a maioria das ruas ainda era pura terra. Não há morador por ali que não saiba quem são Biloca, Beiçola e Binho. Poucos, ou quase ninguém, os tratam pelos nomes de batismo, Everton, Áquila e Cleber. Eles são mais do que três integradores, coordenam o programa Cidade Escola na Vista Grande e região. Três pessoas apaixonadas por Alfenas, mas especialmente por aquela região da cidade.

Não é uma tarefa simples coordenar e integrar milhares de pessoas que moram nos bairros Itaparica, Campos Elíseos, Vila Promessa, Jardim Primavera, Vila Esperança, Jardim Eunice e, claro, o mais querido por eles, a Vista Grande.

Biloca, Beiçola e Binho participam do Cidade Escola por conta do trabalho que desenvolvem no projeto criado pelos três e batizado de “AMVIG (Amigos da Vista Grande) Tirando Crianças da rua”. AMVIG também é o nome de um dos times de futsal mais conhecidos da cidade, ao lado do Pinheirense.

O time foi criado em 1991, mas foi em junho de 2016, após sofrer uma derrota nas semifinais do campeonato amador de futsal da cidade, que o grupo decidiu criar o projeto com os jovens: “Com a derrota, nós movimentamos a torcida, para torcer de novo pelo AMVIG. Aí nós três decidimos que precisávamos colocar alguma coisa para a molecada fazer, dar treinos para eles, tirá-los das ruas, das drogas. Foi daí que surgiu a ideia”, relembra Biloca.

E não pararam mais desde então.  Com menos de um ano de atividades, já são mais de 200 crianças atendidas pelo projeto AMVIG, entre meninos e meninas. Aos sábados, chegam a reunir quase 100 jovens na quadra. A mesma quadra que os três ajudaram a construir em mutirão, quando ainda eram meninos. Mas não foi fácil. O trio de amigos bateu de porta em porta dos comerciantes locais e ainda tiraram dinheiro do próprio bolso para comprar lanches e refrigerantes para a garotada nos dias de treinos: “Começamos a correr atrás de tudo e o povo percebeu que a gente estava fazendo de coração. Foi quando o pessoal se aproximou”, recorda Biloca.

Beiçola chega a ter dó do amigo Binho: “Ele mora do lado da quadra. O treino estava marcado para as sete da noite, mas quando era cinco e meia, a molecada já estava batendo na porta dele, ‘vamos professor, tá na hora do treino’”.

Logo após vencer as eleições, o prefeito Luizinho convidou o trio para participar do programa Cidade Escola que ele iria instalar na cidade. Biloca, Beiçola e Binho, também conhecidos como o trio BBB, os Big Brothers de Alfenas, ficaram eufóricos, mas também cientes do tamanho da responsabilidade que teriam a partir deste convite. 

A primeira tarefa dada por Luizinho foi para que o trio mapeasse, não apenas o bairro Vista Grande, mas também outros seis bairros já mencionados. A pesquisa que teriam de fazer, em cada quarteirão ou rua dos sete bairros, deveria responder às três perguntas essenciais do Cidade Escola: “Andem nesses bairros e procurem saber o que querem fazer, como querem fazer e quando querem fazer”, pediu o prefeito.

O resultado deste enorme e complicado trabalho são as atividades que passaram a fazer parte do Cidade Escola na região. Tudo escolhido pela própria população local, espalhadas pelos sete bairros.

Estudantes e todo e qualquer morador têm agora à disposição atividades como balé, karatê, teatro, percussão, ritmos, informática, artesanato, jiu-jitsu, reforço escolar, desenho artístico, ginástica terapêutica, handebol, hip-hop, fanfarra, tae-kwon-do, natação, basquete, violão, xadrez, futsal, corte e costura, horticultura, pilates e vôlei.

As atividades são itinerantes. Mais de 20 integradores, todos voluntários, darão aulas nos bairros, em locais pré-determinados e também nas ruas, outro princípio integrador fundamental do Cidade Escola.

Na primeira semana de fevereiro, o trio BBB, ou melhor BBA (Big Brothers Alfenas), estava inquieto. Na sala de coordenação instalada no Caic, a expectativa era saber se a população entendera os princípios do programa Cidade Escola que foram apresentados a todos durante a pesquisa feita por eles. No dia 8 de fevereiro, uma quarta-feira, aconteceria o evento inaugural do Cidade Escola na região. Uma aula de dança apresentada pelo experiente professor Marinho.


Sim, a população não só havia entendido como aderiu definitivamente ao Cidade Escola. As sete da noite, a atividade inaugural levou ao local dezenas de pessoas, de todas as idades e de diversos bairros da região na mesma quadra onde Biloca, Binho e Beiçola cresceram e criaram seu projeto social. Participaram, dançaram, integraram-se, conheceram uma nova forma de manterem-se próximos e juntos, longe dos muros das escolas ou de suas casas, outros princípios integradores do Cidade Escola.

Mas a melhor notícia daquela quarta-feira estava por vir. Contando as fichas de inscrição, o trio contabilizou mais de mil pessoas, de todas as idades, dos sete bairros da região, interessadas em participar das atividades do Cidade Escola.

É apenas o início de uma longa jornada onde o Cidade Escola pretende “ensinar e aprender”, no convívio do prazer, respeito e solidariedade da companhia. O número espetacular de inscritos, para o início de um programa, não assusta os amigos: “A gente gosta é de desafio. E pode gravar e cobrar isso que vamos falar: o núcleo Caic será o melhor do Cidade Escola”, garante Binho.











3 comentários:

  1. São histórias de vida contadas poeticamente onde os integradores levam não só o conhecimento para aquelas pessoas mas também carinho,amor e atenção que é na verdade a grande carência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Elizabeth. Cidade Escola, Escola da Vida, fora dos muros, com muito amor e atenção à população. abs

      Excluir
  2. Parabéns Rose pela sua dicacao a nossa comunidade

    ResponderExcluir